Histórias em 77 palavras

A banqueta
Eu acompanhava um órgão e devia servir para que minha dona se assentasse e tocasse harmonias. As partituras ficavam guardadas dentro de mim.


Quando mudamos para uma casa menor, ela precisou contentar-se com o teclado portátil e doou meu velho companheiro. Tornei-me suporte para a televisão; 
assisti a programas de variados estilos.
Finalmente aqui estou como floreira. Vejo o cuidado para que luz, ar e água sejam convenientes sobre as plantas que apoio. 
Numa delas nascem violetas brancas.
Celina Silva Pereira, 66 anos, Brasília, Brasil.

Desafio Escritiva nº 19 ― vidas passadas de objetos

Um comentário: