terça-feira, 15 de outubro de 2013

Professores

Tinha uma grande ansiedade por ir à escola, embora minha mãe já estivesse me ensinando a ler em casa.
Quando completei 6 anos, no meio do ano de 1956, minha mãe conseguiu com a diretora da escola em que ela lecionava, autorização para que eu fosse matriculada, já que sabia ler. 
Minha primeira professora foi a D. Alice, mas ao mesmo tempo tinha aula com D. Lélia, de Artes, que eu amava, no Grupo Escolar Souza Lobo, zona norte de Porto Alegre. Eram dois bondes para chegar à escola todas as manhãs. No segundo ano, na mesma escola, foi professora a D. Sara, de quem recebi um livro de Monteiro Lobato, como prêmio pela boa colocação na turma, no final do ano.
Com a aposentadoria de minha mãe, fui matriculada perto de casa, no anexo do Instituto de Educação, na José Bonifácio, perto de minha casa e do Parque da Redenção. Era uma residência adaptada para escola e naquela escola lembro das professoras Ana Maria, do 3º ano, que ensinou entre outras coisas as regiões do estado do Rio Grande do Sul e também a usar a caneta tinteiro, pois não havia esferográfica à época. No 4º ano, fui aluna da professora Adair, com quem aprendi análise sintática pela primeira vez (e nunca mais esqueci). No 5º ano, tive aula com a professora Ilma, que terminou a preparação para o temido exame de admissão ao Ginásio. No 5º ano, pude perceber que as professoras de vez em quando sofriam com algumas ações impensadas dos alunos, pois minha professora recebia cartas anônimas e telefonemas que a faziam sofrer muito, como me contou uma vez em que a encontrei depois.
Do Ginásio, no Instituto de Educação, lembro da professora Araci, de Matemática, da 3ª série, da professora Margarida, de Geografia, também da 3ª série, da profª Ida, de Francês. 
Já do Curso Clássico, cito a professora Lila, de Latim, o inesquecível professor Ernani, de Português, a professora Dora, de História.
Da Faculdade, os professores Luft, de Gramática, Back e Tania, de Francês, Ricci , de Teoria da Literatura (este  exilado para a Itália à época do regime autoritário).
E não posso esquecer das professoras de piano, que me acompanharam do Fundamental à Faculdade, professoras Dulce e Dirce, muito queridas as duas, como dizemos no Rio Grande, ao lado dos também queridos professores das matérias teóricas, Vera, Ivone, Enio, Zander.
Aqui em Brasília tive uma brilhante professora Mestre , no curso de aperfeiçoamento da Secretaria de Educação, através da UnB, a qual já havia sido minha colega como professora numa escola.
Nós professores formamos uma grande família que compartilha o conhecimento através do tempo. A todos estes professores, e aos demais, que não mencionei, que me ensinaram a ser professora, junto com minha mãe, minha primeira professora, e meus colegas professores, atuais grandes amigos, minha homenagem neste Dia do Professor!



Um comentário:

  1. Olá Celina
    Parabéns pelo dia do professor e pela bela postagem. Bjs querida

    ResponderExcluir