quinta-feira, 28 de abril de 2011

Salvos das chamas

Meu filho entrou no carro dele, na garagem do prédio onde trabalha, no centro da cidade. Sentiu um cheiro forte de combustível, mas isso já acontecera antes e iniciou a subida da rampa assim mesmo. Mas o carro não subia.
Um rapaz que dirigia outro carro dirigiu-se a ele e o alertou sobre um vazamento, que parecia ser de água, mas era de combustível. Os dois olharam perto do motor, viram uma mangueira fora do lugar e a recolocaram na posição.
Nova tentativa de sair da garagem, e novo alerta do mesmo rapaz: havia fumaça saindo do capô. Moisés desceu do carro e, junto com o rapaz, abriu o capô. Ficou paralisado: havia chamas dentro do capô. O carro poderia ser todo consumido e explodir o tanque de combustível.
Mas o novo amigo não ficou paralisado. Foi até o carro dele e pegou um extintor. O mesmo fizeram outros motoristas que se encontravam na garagem. As chamas foram extintas.
Meu filho, ainda trêmulo, foi ajudado a descer a rampa e deixar o carro na vaga. O mesmo rapaz levou-o a uma estação do metrô e ele foi para casa, de onde me ligou para contar mais este episódio de livramento em sua vida.
Na realidade, foram muitos episódios de salvamento na vida do Moisés e nós somos gratos a Deus por isso.
Conforme o profeta Isaías, temos a promessa de Deus: "Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti." (Isaías 43:2) Quantas vezes passamos por dificuldades e nem nos conscientizamos delas, e o Senhor envia seu anjo para nos socorrer e livrar. Há muitas águas e muito fogo para atravessar em nossa vida. O Senhor pode nos livrar desses elementos, o Senhor pode nos livrar de perigos físicos que nos assaltam no dia a dia, o Senhor pode nos livrar das tentações que nos assaltam, e que também são um fogo devorador, o Senhor pode nos conduzir pelo bom caminho que leva à Salvação.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Porque Ele vive

O hino predileto da Priscila, que cuidou do Lucas Felipe durante um período quando ele era criança (o tempo passou e ela agora é atendente em uma clínica médica), era "Porque Ele vive", de William e Glória Gaither, que nos diz:
"Deus enviou Seu Filho amado/Para sofrer em meu lugar;/Na cruz morreu mas vivo agora está,/Pois ressurgiu e para sempre viverá./Porque Ele vive, posso crer no amanhã;/Porque Ele vive, temor não há./Eu sei que minha vida não será mais vã,/Pois meu futuro em Suas mãos agora está."
Cantando o hino, agora estamos alegres, porque Cristo morreu e ressuscitou, mas foi muito difícil para os discípulos que haviam também cantado um hino com Jesus após a refeição da Páscoa na mesma semana, verem o Mestre ser sepultado depois de sofrer uma morte vergonhosa na cruz.  Embora Ele houvesse profetizado que os deixaria e ressuscitaria, eles não podiam entender ainda por que a morte havia acontecido e ainda não acreditavam na ressurreição. Para eles era o fim de tudo que tinham sonhado.
Entretanto, no domingo seguinte,  as mulheres que foram cedo para ungir o Senhor morto, após descansarem no sábado,  encontraram a tumba vazia e ouviram a mensagem do anjo: "... buscais a Jesus, o Nazareno, que foi crucificado; ele ressuscitou, não está mais aqui; vede o lugar onde o tinham posto." (Marcos 16:6)
Demorou algum tempo até que todos os discípulos recebessem a mensagem da ressurreição e acreditassem nela, mas foram esses onze discípulos e os demais seguidores que abraçaram essa verdade e, mesmo sob perseguição severa, levaram a notícia ao mundo que hoje comemora a Páscoa praticamente em todos os lugares.
É a tristeza transformada em alegria. Cristo morreu para salvar o homem do pecado. Cristo ressurgiu, porque triunfou sobre a morte e por isso podemos ser vitoriosos com Ele e ter esperança no futuro.
Na manhã da ressurreição as mulheres se admiraram, depois se alegraram  e levaram a notícia, com júbilo que se multiplicou .
Hoje, o acontecimento será relembrado de muitas formas, e também na minha igreja isso acontecerá. Este dia, no meu entender,  deve ser de alegria, de celebração da vitória de Cristo, que também pode nos dar a vitória de que precisamos em nossa vida, que pode nos dar a esperança de estar sempre com Ele agora e no futuro. 
E ouçam o belo hino "Porque Ele vive". Priscila, você também está convidada para a encenação desta sexta-feira à noite.

domingo, 17 de abril de 2011

Exercitando

 
Nas recordações que tenho de minhas visitas à casa de minha mãe em Porto Alegre, posso visualizá-la lendo o jornal e respondendo às palavras cruzadas. Hoje não pode resolvê-las completamente sozinha, pois a visão diminuiu muito e alguém lê as cruzadas do mesmo jornal para ela, que ainda dá algumas opiniões a respeito. A propósito, o gosto pelas palavras cruzadas passou para a acompanhante de minha mãe, que faz o possível e o impossível para resolvê-las completamente antes que chegue a resposta no próximo jornal.
Também  gosto desse tipo de exercício mental, mas atualmente há outras formas de exercício que podem ser realizados, não sei se com resultado tão bom, para manter a lucidez ao longo dos anos.
Refiro-me aos jogos virtuais existentes nos diversos sites. Há alguns desses jogos que exercitam a coordenação motora principalmente, como aqueles de que os meninos gostam - corridas de carro, provas de hipismo, até uma corrida dentro da "escola" em que incrivelmente o herói precisa enfrentar tanto os colegas como os monitores e de vez em quando passa pela sala de aula. Nesse tipo de jogos não me saio bem, mas vejo que os adolescentes e jovens têm ótimo desempenho neles.
Há outros jogos que desenvolvem a capacidade de estratégia e até o raciocínio matemático, como aqueles em que você deve desenvolver plantações e indústrias de transformação de forma a conseguir lucros maiores para mudar sempre de nível, ou aquele em que o jogador deve criar uma cidade, que se desenvolverá ao longo do tempo, aumentando o número de habitantes, de serviços, de lojas comerciais, de produtos produzidos ou importados de outras "cidades". Gosto bastante deste jogo. É educativo até no sentido de que você não pode jogar indefinidamente. Há um tempo, que não é longo,  determinado pelo número de energias, ao término das quais o jogador pode ser aconselhado automaticamente a "deixar esfriar o computador".
Porque em todos esses exercícios há um perigo, o de você esquecer do tempo e dedicar mais horas  a eles do que às outras atividades. Creio que esse é o motivo do insucesso de alguns alunos adolescentes.  Ainda, há um perigo maior, o de esquecer que é necessário utilizar nas atividades virtuais os mesmos fundamentos morais em que você alicerça sua vida. Não existe a dissociação do "eu" da internet e do "eu" da vida real. São uma só pessoa. Assim, desaconselho totalmente aqueles jogos em que as crianças ( e também o adolescente e adultos) são incentivados a "roubar" a mobília ou as plantas dos outros participantes do jogo, para colocá-los no seu próprio ambiente, ou a agredir ou a usar de violência, ou de outra conduta inadequada.  Enfim, todas essas atividades são exercidas pela pessoa como um todo e, onde quer que esteja, deve ser guiada pelos princípios que considera.
Concluindo com um versículo da Palavra de Deus: "Quer comais, quer bebais ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus." I Coríntios 10:31

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Mistérios da internet

No início do ano, encontrei um blog (não no blogspot) de uma senhora americana que comemorava os 50 anos de idade. Daí ela adotar o pseudônimo de "menina 1961". A intenção dela era comemorar durante todo o ano a nova idade - esse meio século. Assim cada dia postava sobre um motivo de festejar - como a amizade, a família, e outros motivos.
Aconteceu assim por algum tempo e não pude me conter de fazer alguns comentários. No início, a blogueira se propunha a responder a cada um que escrevesse um comentário, e assim recebi algumas respostas.
Depois, um dia ela demonstrou que começava a exasperar-se com tantos comentários e particularmente com uma pessoa (espero que não tenha sido eu) que ela achava que não era quem dizia ser e, passados alguns dias, não consegui mais localizar aquela brilhante página.
A internet tem desses mistérios: nem sempre podemos garantir que falamos com quem pensamos falar realmente. Sei de algumas pessoas que sempre usam o msn como se fossem a esposa ou a filha para saberem de que as outras pessoas falam com elas. Meu filho às vezes brinca com isso e escreve como se fosse a esposa ou a sogra para tentar me enganar. E consegue. Depois se revela e rimos juntos.
Em resumo, não podemos garantir, como concluiu a moça nascida em 1961, que falamos exatamente com quem pensamos ao fazê-lo pela internet.
Isso, em alguns casos, pode nos levar à insegurança, à irritação, ao medo, talvez até ao pânico.
Mas é próprio do homem que apresente facetas enganosas ou dúbias. A Bíblia se refere à sede dos nossos pensamentos como coração e aplica alguns adjetivos ao coração, nesse sentido.
O coração humano é mencionado como hipócrita - "Os hipócritas de coração amontoam para si a ira." (Jó 36:13)  ou como reto - "O meu escudo é de Deus, que salva os retos de coração." (Salmos 7:10).
E também é o terreno que só nosso Deus conhece: "Provaste o meu coração; visitaste-me de noite; examinaste-me, e nada achaste; propus que a minha boca não transgredirá." (Salmos 17:3)
25829_4_sam




E, ainda meditando sobre nossos pensamentos e desígnios, sobre nosso coração, podemos orar como o salmista: "Sejam agradáveis as palavras de minha boca e a meditação de meu coração perante a tua face, Senhor, Rocha minha e libertador meu." (Salmos 19:8)




 

sexta-feira, 8 de abril de 2011

...para tanto ontem

No ano passado, ingressei numa comunidade da internet de ex-alunos do Instituto de Educação, de Porto Alegre. Estudei nessa escola entre o 3º ano fundamental e a 4ª série do antigo ginásio, que equivale agora à 8ª série.
Logo em seguida, fui achada por uma antiga colega e lembrei imediatamente dela - a Anamaria, que na época usava cabelos compridos e era muito animada. Continua sendo animada, embora tenha cortado os cabelos. Mudou de Porto Alegre e agora mora em Joinville.

Todos os dias ela me manda lindas mensagens de otimismo, frases de escritores geralmente.
Hoje ela me mandou esta: "Haja hoje para tanto ontem." A frase é de Leminski.
E eu respondi "Que o hoje seja melhor e que bom que acreditamos num amanhã."
Quando acontecem tragédias como essa que tão violentamente trouxe morte num lugar em que toda a sociedade espera segurança, alegria, construção de um futuro - a escola - todos nós lamentamos e esperamos que o mundo seja melhor.
Nós, como cristãos, acreditamos que a falta de amor e as mentes doentias são doenças que afligem nosso mundo, como profetizou Jesus que a iniquidade se multiplicará e que "o amor se esfriará de quase todos".
Mas que bom que, como cristãos, também acreditamos num mundo renovado, como diz o apóstolo João no Apocalipse: "Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram."
Que a esperança não nos abandone e nos faça fortes o suficiente para amar nosso próximo agora e acreditar num futuro melhor amanhã.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

"Amor glorioso"



Todas as semanas, antes do final da tarde de sexta-feira, meu esposo vai à igreja para organizar os instrumentos com que participamos do ensaio da banda, logo mais à noite.
A banda é composta por 17 instrumentistas (embora não estivessem todos na ocasião dessa filmagem), em dois violões,uma guitarra, dois contrabaixos (acústico e eletrônico, tocados pelo mesmo instrumentista), dois teclados, um para dar a base rítmica e outro ligado à base harmônica e também à melodia (o meu), instrumentos percussivos (cajon, carrilhão, pratos, triângulo, meia-lua, pau-de-chuva, queixada e outros, executados pelo Claudio, meu esposo), e instrumentos nobres: dois violinos, uma viola, duas flautas, um clarinete (tocado pelo meu neto Lucas, ao fundo à esquerda), quatro saxofones.
Nosso maestro é o professor Samuel, membro de nossa igreja e músico profissional, que iniciou o trabalho há cinco anos, com alguns músicos que já havia na igreja e, na maior parte, com jovens egressos de uma escola de música criada na própria igreja.
É importante nesse trabalho a disciplina, bem como a perseverança, o estudo, o amor à música e principalmente o amor ao louvor dedicado a nosso Deus.
No vídeo acima, podemos ouvir a versão instrumental do hino tradicional "Amor glorioso", de Adoniram Judson Gordon (1836-1895), que tem a seguinte letra:
"Buscou-me com ternura
Jesus o bom Pastor.
Achou-me na miséria,
Salvou-me com amor.
No Céu os anjos, em canção,
Mostraram sua aprovação.


Oh! que amor glorioso!
Preço tão grandioso
Que Jesus por mim na cruz pagou!
Graça sem igual me resgatou!"


Meu muito obrigado ao amigo Thiago, um dos atuais diretores do ministério jovem, e eterno amigo da banda (na qual atua como sonoplasta) que filmou o hino ao final do culto no sábado 19.03.